Ah, creio que agora te pegamos. Se você é um mero mortal que mora nas regiões equatoriais ou tropicais do nosso Brasil, talvez nunca tenha ouvido falar que há tantas formas de precipitação. E por que você irá querer saber sobre elas? Não sei. Mas caso você queira morar ou visitar algum lugar situado em uma alta latitude, você irá querer saber.

Chuva

A primeira e mais conhecida forma de precipitação é a chuva. E para quem mora em baixas latitudes, nunca deve ter conhecido outro tipo de precipitação. A chuva é composta de gotículas de água líquida que variam entre 2 e 5 milímetros. Não é nenhuma novidade para você que a chuva existe em diversos modos: chuvisco, chuva torrencial e até garoa.

A neve também é considerada um tipo de precipitação. Comum em regiões temperadas é formada quando o vapor d’água passa diretamente para o estado sólido. Para que ocorra a neve tanto a nuvem quanto o ar logo abaixo da nuvem devem se manter a uma temperatura abaixo de zero graus célcios. A neve é composta por cristais que assumem a forma hexagonal.

A água neve é um tipo de precipitação considerada rara. Ocorre quando a chuva congela ao passar por uma camada de ar com temperatura abaixo de zero grau próximo a superfície.

O granizo é um tipo de precipitação menos comum de ocorrer. Ocorre geralmente por meio de tempestades na primavera ou no verão. O granizo se forma quando cristais de gelo são movimentados por correntes ascendentes presentes em nuvens cúmulos-nimbos, chamadas de nuvens de tempestades.

A chuva congelada é um tipo de precipitação menos comum. Acontece quando as gotas de chuva mantém forma líquida mesmo com temperaturas abaixo de zero grau. Porém quando estas gotas entram em contato com a superfície que está com temperatura abaixo de zero, congelam instantaneamente formando camadas de gelo sobre a superfície, galhos de arvores e objetos.

Chuva congelada que aconteceu em Chicago nos Estados Unidos.