Para que haja uma retomada verde da economia pós Covid-19 é necessário que diversas ações tanto privadas quanto estatais sejam tomadas.

Nas últimas décadas o processo de ocupação desordenada, retirada da vegetação às margens dos rios, poluição das águas e do ar e exploração dos recursos naturais sem os devidos cuidados tem aprofundado a crise ambiental em todo mundo.

Além disso, a possibilidade real de aquecimento global tem contribuindo para pressionar países e empresas a adotarem medidas que visem a diminuição da emissão de poluente nocivos na atmosfera.

A questão ambiental e a retomada verde

Entre as transformações que deram um pontapé para as mudanças ambientais em ritmo mais acelerado, destaca-se as revoluções industriais e o avanço do sistema capitalista.

Foi a partir das primeiras décadas do século XX que a degradação ambiental se intensificou, ocasionado principalmente pelo avanço da produção industrial nos Estados Unidos e em alguns países da Europa.

Os problemas ambientais e sociais tem sido um entrave para os países crescerem de forma sustentável nos últimos anos. Mais recentemente estes esforços tem se tornado mais difíceis devido a pandemia da COVID-19.

Esta crise de saúde tem contribuído para que os governos e as empresas se atentem para a necessidade de maiores investimentos em produtos e tecnologias que sejam mais sustentáveis do ponto de vista ambiental, além de serem socialmente corretos.

A busca por uma economia de baixo carbono caracteriza o que se denomina de retomada verde da economia, onde os investimentos estatais e privados são direcionados para formas de produção mais sustentáveis.

São exemplos disso os investimentos em energia solar, energia eólica, carros e caminhões elétricos e até aviões movidos a eletricidade.

É possível citar como exemplo a Alemanha, que irá investir cerca de 130 bilhões de euros para uma retomada econômica baseada em atividades de baixo carbono, dando ênfase principalmente para a produção de veículos elétricos.

No Brasil é possível citar como exemplo o retorno da empresa FNM, antiga Fábrica Nacional de Motores que agora se chama Fábrica Nacional de Mobilidades. Com sede em Caxias do Sul a FNM irá produzir, em parceria com a empresa Agrale e fornecedores americanos, caminhões elétricos.

Empresas como estas são exemplos de que o país pode criar bons empregos e ainda contribuir para a preservação do meio ambiente, pois os caminhões e ônibus elétricos possuem diversos benefícios ambientais e econômicos.

Para que países como o Brasil possam promover uma retomada verde da economia será necessário investir e promover muito mais do que uma produção industrial sustentável, mais pensar em meios para que os trabalhadores de setores que se tornaram obsoletos possam ser absorvidos pelo mercado.

O Brasil é um país com enorme potencial para empreender uma retomada verde, principalmente porque possui uma grande biodiversidade, potencial para ampliar a geração de energia elétrica e eólica e capacidade para se industrializar novamente.

Porém, para que isso ocorra será necessário grandes investimentos públicos e privados, além de estabilidade política para que as políticas públicas voltadas para a retomada verde da economia não sejam descontinuadas com as mudanças de governo.

Deixe uma resposta