Para que um determinado território ou lugar seja considerado um país, e com isso, obter o poder para negociar, vender ou fazer acordos e tratados comerciais há uma série de requisitos que devem ser atendidos. Um deles é o reconhecimento por parte de outros países.

Por isso, elaboramos uma lista de países que possuem reconhecimento limitado, ou seja, muitos destes lugares não são considerados países pela maioria das nações independentes do mundo.

Esta lista  dá uma visão geral das entidades geopolíticas da atualidade que desejam ser reconhecidas como Estados soberanos sob a Convenção de Montevidéu, os quais ainda não desfrutam de reconhecimento diplomático pleno e que ainda lutam para garantir a sua independência frente as demais nações.

Lista de países com reconhecimento limitado

Estes países caem em duas categorias. Primeiramente, estão as entidades com controle completo ou parcial sobre o território reivindicado os quais são autogovernados ou que declararam possuir o desejo de ser independente.

Em segundo lugar, estão os lugares que não possuem completo controle sobre o território reivindicado, mas foram reconhecidas como tendo uma reivindicação àquele território por pelo menos uma nação reconhecida.

Esta lista não considera os países históricos não reconhecidos, as micronações e os governos no exílio. Por isso, na listagem não incluímos: 

  • República da Chechênia, 
  • República de Monte Atos, 
  • Principado de Seborga, 
  • República de Cabinda, 
  • Reino de Tavolara, 
  • Puntlândia, 
  • Tamil Eelam, 
  • República da Ambazônia, 
  • Tibete/Administração Central Tibetana, 
  • Gagaúzia.

Embora façam parte dos 193 Estados-membros da Organização das Nações Unidas (ONU), alguns deles não são listados, mas gozam de “reconhecimento majoritário”. O Vaticano, por exemplo, é geralmente reconhecido como soberano pela lei internacional, mas não é um membro completo das Nações Unidas, é apenas observadora, tal como o Estado da Palestina.

Lista de países reconhecidos somente por não integrantes da ONU

República de Artsaque

Declarou sua independência em 1992. Atualmente é reconhecida por apenas três Estados não integrantes da ONU: Abecásia, Ossétia do Sul e Transdniéstria.

República do Artsaque. Domínio público.

O Azerbaijão reivindica Artsaque com parte do seu território soberano. Esta região também se tornou motivo de disputa entre a Armênia e o Azerbaijão quando estes países se tornaram independentes do Império Otomano por volta de 1918. Recentemente estes países voltaram a se enfrentar pelo controle de territórios na região.

República Moldava Transdniestriana

A Transdniestriana declarou sua independência em 1990. Atualmente é reconhecida por três Estados não integrantes da ONU: Artsaque, Abecásia e Ossétia do Sul.

República Moldava Transdniestriana. Fonte: https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=16040317

A Moldávia reivindica a Transdniestriana como parte de seu território. Língua russa, moeda própria e capital. A Transnínstria é um daqueles países que poucas pessoas conhecem ou que sabe que existe. Após a guerra na década de 90, tropas russas invadiram a região para acabar com o conflito. Cabe ressaltar que a Rússia contribui para a existência deste território, porém não o reconhece enquanto um país soberano.

República da Somalilândia

A Somalilândia foi reconhecida pelo Reino Unido como república independente por volta de 1960. Porém, havia outra porção de terra chamada Somalilândia Italiana, que a partir de um conflito armado anexou a Somalilândia Britânica formando o que hoje se chama de Somália. No mapa abaixo é possível visualizar o território que compreende a Somalilândia Britânica.

Por volta de 1991 a Somalilândia Britânica, já independente do Reino Unido, se declarou independente da Somália, sendo atualmente reconhecida somente por um Estado não integrante da ONU: Liberland. Atualmente a Somália reivindica a Somalilândia como parte do seu território soberano.

Deixe uma resposta