Se você já concluiu sua graduação e não ficou endividado com cartão ou parcelas de empréstimos, parabéns. Agora se você está fazendo uma graduação ou pretende fazer uma pós-graduação, é necessário ter alguns cuidados para não cair em dívidas.

O Brasil ainda passa por uma crise profunda e isso não é novidade para ninguém. Individualmente não conseguimos ditar os rumos da política econômica brasileira, mais podemos ditar os rumos da nossa economia pessoal por meio da educação financeira.

Talvez você nunca tenha ouvido da boca de um professor, principalmente nos cursos de geografia, dicas sobre orçamento, controle de gastos pessoais e investimentos. E isso é normal, por que estes são temas que não costumamos dominar, talvez este seja um dos muitos motivos pela qual há poucos geógrafos ricos atualmente no Brasil.

Veja abaixo alguns tópicos que certamente irão te fazer rir neste momento, mas serão lembrados por você quando chegar aos 50 ou 60 anos. Estas dicas são importantíssimas para recém-formados, graduandos e também para professores que queiram orientar algum aluno.

1 – A verdade nua e crua sobre empréstimos estudantis

A maioria dos empréstimos estudantis tem um período de carência de seis meses, mas esse tempo passa rapidamente. Quanto mais rápido a dívida for paga melhor, você evita acumular mais juros ou multas por atraso. Além disso, o excesso de dívida estudantil pode impactar negativamente na sua capacidade de se qualificar para outros empréstimos, como um empréstimo para automóveis ou para casa, atrasando outras metas de pós-graduação.

Você enquanto professor pode ajudar recém-formados a pesquisar as melhores opções de pagamento para suas circunstâncias individuais.

2 – Dominar conhecimentos sobre orçamento e finanças é primordial

Ganhar a independência que vem com a graduação oferece a oportunidade perfeita para aprender mais sobre orçamento. Há uma abundância de aplicativos de Smartphone e outras ferramentas para acompanhar quanto dinheiro está entrando e saindo. Conseguir um bom entendimento do orçamento é o primeiro passo em direção à segurança financeira.

3 – Tudo sobre fundos de emergência

Uma rede de segurança deve fazer parte de qualquer estratégia orçamentária. Este dinheiro é guardado para verdadeiras emergências: quando o carro quebra ou para uma visita inesperada ao hospital. Guarde o máximo de dinheiro que seu orçamento permitir até que você alcance de três a seis meses de despesas. Mesmo R$ 50 reais guardados por mês farão uma enorme diferença ao longo do tempo.

4 – Não esqueça de cuidados de saúde

Os graduados ou graduandos também precisam incluir os custos de saúde em seu orçamento. Nos custos de saúde entram o consumo de alimentos saudáveis, gastos com remédios e exercícios físicos.

5 – Dívida no cartão de crédito? Nem pensar.

Graduados recentes são inundados com ofertas de cartão de crédito pré-aprovadas. Mas não se sinta tentado por negócios que pareçam bons demais para ser verdade. É claro que ter um pagamento por cartão de crédito, pago integralmente todos os meses, é a melhor maneira de estabelecer um histórico de crédito positivo, porém, não se iluda com limites não compatíveis com a sua renda. Ter somente um cartão de crédito também é essencial.

Deixe uma resposta