Desde os egípcios, a preocupação com a contagem das horas é parte do nosso cotidiano. Até por volta do século XIX, não havia um referencial único para a determinação das horas. Cada lugar ou cidade estabelecia sua própria hora. Agora imagina a confusão que era passar por várias cidades, cada uma com um horário diferente? O interessante é que cada cidade ajustava sua hora sempre ao meio dia, quando o sol estivesse formando um ângulo de 90° em relação ao horizonte.

Os países tinham uma certa preocupação com este assunto, pois não podia ser permitido que um mesmo país tivesse milhares de cidades com horários diferentes. Foi pensando nisso que em 1840, foi estabelecido, como forma de uniformizar a hora na Grã-Bretanha o Greenwich Mean Time (GNT) ou Tempo Médio de Greenwich. Mais tarde por sugestão do canadense Sanford Fleming este sistema foi ampliado para todo o mundo, dividindo assim o globo em 24 faixas ou fusos, cada fuso contendo 15° de longitude.

O primeiro Fuso Horário abrangeria uma faixa que vai de 07º 30’ E (Sete graus e trinta minutos Leste) a 07º 30’ W (Sete graus e trinta minutos Oeste), portanto, 15º de longitude.

Vamos a algumas definições para então compreendermos como se calcula o fuso horário de um lugar.

1 – As horas aumentam no sentido Leste e diminuem no sentido Oeste até a longitude de 180°.

2 – A terra é dividida em 24 fusos, cada fuso contendo 15° de longitude totalizando 360°.

3 – Cada fuso é equivalente a 1 hora.

Vamos ao primeiro exemplo prático na determinação da hora real ou solar, para isso devemos saber que:

a) se as duas cidades estiverem no mesmo hemisfério, subtraem-se as suas longitudes. O resultado terá que ser dividido por 15.

b) Se estiverem em hemisférios opostos somam-se as suas longitudes. O resultado também deverá ser dividido por 15.

Agora você deverá observar a seguinte situação:

a) Se o lugar da qual se quer saber a hora está a Leste, soma-se à hora conhecida à diferença horária encontrada.

b) Se o lugar da qual se quer saber a hora está a Oeste, subtrai-se da hora conhecida a diferença horária encontrada.

Vamos então ao exemplo prático:

Qual a hora de uma cidade A localizada a 123º 18’ 30” E , quando são 12h 32m 16s numa cidade B situada a 01º 15’ 27” E?

Vejamos, queremos saber a hora da cidade A. A hora conhecida é a da cidade B. A primeira coisa a ser observada é: As duas cidades estão no mesmo hemisfério ou em Hemisférios diferentes? Ah, estão no mesmo hemisfério então vamos subtrair as duas longitudes:

123°18’30” (Lê-se: Cento e Vinte e Três Graus, Dezoito minutos e Trinta segundos)

01°15’27” (Lê-se: Um grau, Quinze minutos e Vinte e sete segundos)

_______________

122° 3′ 3”

Agora dividimos este resultado por 15

122° 3′ 3” /15

Aqui está o pulo do gato. Quando dividimos os Sento e vinte e dois graus, três minutos e três segundo por 15, obtemos um valor em horas.

= 8° 8′ 12.2” (Lê-se: Oito horas, 8 minutos e 12.2 Segundos).

Logo sabemos que a diferença entre as duas cidades é de Oito horas, Oito minutos e Doze segundos aproximadamente.

Agora vamos ao próximo passo. A cidade A está mais a Leste ou Mais a Oeste em relação a cidade B? Observando a pergunta e a longitude da cidade A é possível afirmar que está mais a Leste, então as horas da cidade A são mais adiantadas do que as horas da cidade B. Sabendo que a hora da cidade A é mais adiantada você terá que somar a hora conhecida, ou seja, a hora da cidade B com a hora encontrada por meio dos cálculos que acabamos de fazer:

12h 32m 16s

8h 8m 12.2s

_________________

20h 40 m 28s – Esta é a hora real ou solar da Cidade A. Mais tome cuidado por que a hora de uma cidade poderá ser diferente caso esta adote, por exemplo, horário de verão ou qualquer outra medida que vise adiantar ou atrasar o horário de uma cidade por meio de uma lei ou decreto local.